Invasão russa chega na capital da Ucrânia

O presidente russo Vladimir Putin pediu nesta sexta-feira (25) ao exército ucraniano para "tomar o poder" em Kiev e derrubar o presidente Volodimir Zelenski e seu entorno, aos quais chamou de "neonazistas e viciados em drogas". "Tomem o poder em suas mãos. Acho que vai ser mais fácil negociar entre vocês e eu", disse Putin ao exército ucraniano em um discurso na televisão russa.


O presidente russo afirmou que não combate unidades do exército e sim formações nacionalistas que se comportam "como terroristas", que usam civis "como escudos humanos". Putin disse que armas ucranianas foram colocadas em áreas civis. "E querem acusar a Rússia de causar baixas entre a população civil", acrescentou.


Putin também chamou o presidente Zelensky e seus ministros de "gangue de viciados em drogas e neonazistas, que se instalou em Kiev e está tomando todo o povo ucraniano como refém".


Moscou descreve as autoridades ucranianas como "neonazistas" ou "junta" desde 2014, quando eclodiu uma guerra no leste da Ucrânia entre separatistas pró-Rússia e forças de Kiev, apesar de Zelensky ter origens judaicas.


Soldados ucranianos patrulham em Kiev | Foto: Daniel Leal / AFP / CO



A invasão russa da Ucrânia chegou a Kiev nesta sexta. Na capital ucraniana, ressoam alertas e tiros de artilharia, e cresce o medo de que a cidade seja conquistada por tropas inimigas ou submetida a um cerco.


As tropas russas se aproximavam de Kiev a partir do nordeste e do leste, segundo o exército ucraniano. Aumenta o temor de que a capital caia nas mãos de Moscou em poucas horas.


No distrito de Obolonsky, zona norte da cidade, os civis correm em busca de refúgio. Os tiros e explosões são ouvidos no centro da capital, onde os moradores passaram a noite sob toque de recolher e entre o barulho das bombas.


.

.

Correio do Povo